Vila Torres Digital

Infovia é a base para o fornecimento de serviços inteligentes nas cidades

Especialistas e gestores destacam importância da infraestrutura tecnológica para início do projeto de cidade digital

| Notícias - 11/09/2020 22:51

A prestação de serviços públicos mais eficientes passa pela implantação de uma infraestrutura tecnológica em fibra óptica, que conecte todas as unidades públicas municipais. Chamada de infovia, a base para o início de um projeto de cidade digital traz inúmeros benefícios que vão desde a economia de recursos à melhoria de conectividade em todos os setores públicos. “Com o início da pandemia isso ficou ainda mais evidente: prefeituras que estavam mais bem preparadas tecnologicamente estão conseguindo atender o cidadão adequadamente, enquanto muitas outras estão tendo dificuldades e estão tendo que correr atrás para investir na área”, observa o diretor da Rede Cidade Digital (RCD), José Marinho.

De acordo com o gerente comercial da Sigma Telecom, Eduardo Dalpiaz, a economia com serviços de internet e telefonia pode chegar até 70% dos custos das Prefeituras com esse tipo de contratação. “A infovia cria uma rede para a Prefeitura que faz com que se facilite e otimize os recursos de uma maneira muito simplificada. Uma vez a infovia construída, pode colocar uma série de serviços como sistema de monitoramento e câmeras para leitura de placas de veículos,  wifi em praças públicas, disponibilizar internet nas escolas rurais, criar ruas digitais e possibilita a implantação da telemedicina. É a espinha central de qualquer plano de tecnologia avançado”, explica Dalpiaz. 

O prefeito de Fazenda Rio Grande, município com mais de 100 mil habitantes, na Região Metropolitana de Curitiba, Marcio Wozniack, conta que a substituição de uma rede locada para estrutura própria garantiu uma economia mensal em torno de R$65mil aos cofres municipais.

O investimento feito com recursos próprios girou em torno de R$2,9 milhões e envolveu a implantação de mais de 80 km de fibra óptica nas 135 unidades públicas, além de serviços de telefonia voip, link dedicado e segurança de dados. “Sem sombra de dúvidas o investimento em fibra óptica foi um dos melhores que fizemos, pois trouxe velocidade e qualidade para o nosso município. É uma economia muito grande com custo de operadora também. Todas as câmeras estão interligadas, temos a identificação de placas dos veículos, a atuação da nossa guarda tem um trabalho mais efetivo; a chamada dos alunos hoje é com reconhecimento facial, temos esse controle na entrada das escolas. É a tecnologia trazendo a real situação do que está acontecendo na cidade”, ressalta o prefeito.

A nova rede entrou em operação no início deste ano em Fazenda Rio Grande e possibilitou, por exemplo, adoção da telemedicina durante a pandemia, conforme destaca Wozniack. “O investimento que fizemos em fibra óptica ajudou muito na pandemia, possibilitando aos médicos atenderem com muito mais apoio; as reuniões online trazendo economia ao município também. Hoje, todos os protocolos são feitos de forma eletrônica, com a interligação do sistema da Prefeitura, inclusive, se começou a identificar onde ficou o gargalo”, observou o prefeito sobre a tramitação dos processos. “A tecnologia da fibra trouxe esse demonstrativo que antes era em documento físico em gavetas. É uma política que deve ficar”.

Investimento – Uma estimativa dos especialistas da Sigma é de que apenas 10% das cidades contam com uma infraestrutura em fibra óptica. O gerente de contas, Alfredo Gobbato, diz que o custo inicial do projeto varia de acordo com o tamanho do município e se inicia na faixa de R$300 mil a R$500 mil. “Normalmente o serviço contratado se paga em 24 meses. O ganho tecnológico é muito grande, melhorando a qualidade da comunicação interna, os sistemas médicos, de IPTU e pagamentos, por exemplo, ficam muito mais rápidos. A redução de custo é importante, mas o ganho tecnológico do município de pequeno porte é muito maior”, comenta.

Há disponíveis linhas de crédito que os municípios podem buscar para implantação da rede como o Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos (PMAT), Programa de Apoio a Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros (Pnafm) e o Financiamento a Infraestrutura e Saneamento (Finisa). “A fibra óptica é uma tecnologia a prova de futuro. Até hoje se desconhece o quanto se consegue colocar de velocidade. São os equipamentos na ponta que irão evoluir”, finaliza Gobbato.

Autor: Sharlene Sarti- Rede Cidade Digital

Realização: